terça-feira, 16 de dezembro de 2008

“É assim”
São assim os seres que voam...
Voam pra voar
Voam por tudo que é lugar
Voam pra olhar de fora, tudo o que foi e tudo que é agora
Voam pra compor seus destinos
Pra retornar á casa, voltar a ser criança
E de novo crescer com a vida que nunca deixou de existir, a vida paralela que sempre esteve ali no alçar de cada vôo e a cada turbulência a espera do retorno,
Para que seu vôo fosse sempre seguro.
Para que essa linha tênue entre o passado, futuro e presente se recarreguem enquanto se está voando em terras onde fora feto de pássaro-vento, correnteza de tempo, nascente barrenta, broto, fruto, mato e semente.
E novamente se lance pelo espaço da loucura, da poesia e do amor de outros mundos.
O vôo será sempre imprescindível
Pois voar é precisoViver é infinito.

Um comentário:

Hildebranda disse...

que bom ter vc aquiiiiiii!!

bem vindo meu poeta!

muackk!